CUIABÁ

AGRONEGÓCIO

Sede da Aprosoja é alvo de pichações e vandalismo pelo MST

Publicados

AGRONEGÓCIO

A sede da Associação Brasileira de Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), localizada na QL 10 do Lago Sul, em Brasília, foi invadida na manhã desta quinta-feira (14). Os responsáveis pela invasão são membros da Via Campesina Brasil. O grupo protesta contra o crescimento da fome e da miséria no país, bem como o aumento dos preços de alimentos básicos.

Por volta de 7h, cerca de 60 pessoas chegaram de ônibus, invadiram o local e picharam paredes com frases como: “Soja não enche prato. Bolsoagro financia a fome!”, “Bolsoagro é fome, Agrosoja é fome”, “Fora, Bolsonaro, genocida”, entre outras.

Quando a Polícia Militar (PMDF) chegou ao local, os manifestantes já haviam saído. A Polícia Civil (PCDF) investigará o caso.

O Via Campesina Brasil é um movimento que coordena organizações camponesas de pequenos e médios agricultores, trabalhadores agrícolas, mulheres rurais e comunidades indígenas. No âmbito nacional, é ligado ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Veja os vídeos:

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Ação conjunta entre PRF e PF resulta na apreensão de pasta base de cocaína
Propaganda

AGRONEGÓCIO

“Governo acerta ao alinhar base de cálculo do ICMS com preços de mercado”, afirma presidente do Fórum Agro MT

Publicados

em

O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-MT), atendeu aos setores produtivos do algodão, arroz, cana-de-açúcar, feijão, girassol, milho, milheto, soja, sorgo e trigo e suspendeu a portaria que fixava a lista de preços mínimos para o cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas operações internas e interestaduais das referidas commodities agrícolas.

O presidente do Fórum Agro MT, Itamar Canossa, que também é suinocultor, destaca que a medida do Governo atende a um pedido de anos dos produtores rurais de todo o Estado.

“Nós enxergamos que essa medida é muito acertada e vem ao encontro da promoção da justiça tributária. Se no passado houve a necessidade de se estabelecer essa política, hoje ela é ultrapassada e vivemos um momento onde a tecnologia promove uma fiscalização em tempo real e coíbe falcatruas. Os maus empresários criaram a necessidade dessa política e os honestos pagaram por ela. Hoje, o Governo de Mato Grosso reinstala a justiça na tributação”, afirma Canossa.

A medida foi determinada por meio da Portaria 161/2021, publicada no Diário Oficial do Estado desta segunda-feira (30.08), e tem caráter excepcional, suspendendo a aplicação da Lista de Preço Mínimo (LPM) até o dia 31 de dezembro de 2021.

Leia Também:  Ação conjunta entre PRF e PF resulta na apreensão de pasta base de cocaína

De acordo com a Sefaz, a medida visa alinhar, com mais exatidão, as notas fiscais emitidas de vendas de produtos agrícolas para cálculo do ICMS aos preços efetivamente praticados no mercado.

Durante esse período, o ICMS devido será cobrado sobre o valor que constar na nota fiscal da venda e demais valores atribuídos pelo adquirente.

Conforme o texto, o valor utilizado para a determinação da base de cálculo do ICMS relativo as operações com mercadorias de origem agrícola será o da operação correspondente.

Nos casos de operações realizadas por meio de contratos de compra e venda, o contribuinte deverá especificar na nota fiscal os dados referentes ao preço ajustado, bem como os dados identificados do contrato pertinente, sob pena de “acarretar a rejeição dos valores indicados na nota, hipótese em que serão considerados, para fins de definição de base de cálculo, os preços atuais do produto”, frisa o documento.

“Se houver qualquer divergência, um subfaturamento por exemplo, o que o Fisco tem o dever de fazer, e nós estamos preparados para fazer eletronicamente, é monitorar esses valores muito inferiores à média e notificar o produtor para explicar. Se ele não conseguir comprovar que vendeu por aquele preço indicado na nota fiscal, ele será autuado pela média, mas aí a gente vai autuar individualmente e não mais penalizar todos os produtores pelo mal comportamento de um”, explica o secretário de Fazenda de Mato Grosso, Rogério Gallo.

Leia Também:  Prefeito recebe governador do Rotay Club e firma parcerias voltadas ao bem-estar social

“É importante salientar também que estamos realizando um alinhamento com a jurisprudência dos tribunais, que tem questionado a prática da pauta fiscal”, finaliza ele.

Fonte: GOV MT
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA