CUIABÁ

MUNDO

Facebook vai alimentar mais atos de violência no mundo, diz delatora

Publicados

MUNDO

O Facebook vai fomentar mais atos violentos ao redor do mundo por causa da forma como seus algoritmos são projetados para promover conteúdo, disse a delatora Frances Haugen, ao Parlamento britânico nesta segunda-feira (25).

Haugen, uma ex-diretora do Facebook, compareceu a uma audiência do Parlamento britânico que avalia planos para regular as empresas de mídia social.

Ela afirmou que o Facebook considera segurança como um centro de custo e que defende uma cultura de atalhos e que “inquestionavelmente” tornou o ódio pior.

“Os eventos que estamos vendo ao redor do mundo, coisas como Mianmar e Etiópia…o ranqueamento com base em engajamento faz duas coisas: uma, prioriza e amplifica divisões e polariza conteúdo extremo, e dois, concentra isso”, disse ela.

O Facebook não comentou o assunto.

 

 

Ex-gerente diz no Senado americano que Facebook enfraquece a democracia e é uma ameaça às crianças

Ex-gerente diz no Senado americano que Facebook enfraquece a democracia e é uma ameaça às crianças

Haugen afirmou este mês à subcomissão de comércio do Senado dos Estados Unidos que o Facebook projetou formas de manter os usuários dentro de sua página, mesmo se isso ia contra seu bem-estar, colocando o lucro antes dos usuários.

Leia Também:  'Meu marido se recusou a me dar o divórcio por nove anos'

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, rebateu neste mês as acusações de Haugen, afirmando que “o argumento de que nós deliberadamente promovemos conteúdo que torna as pessoas nervosas para obtermos lucro é profundamente ilógico”.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MUNDO

Quem é o promotor paraguaio que investigava PCC assassinado em lua de mel

Publicados

em

Um promotor que investigava o crime organizado no Paraguai foi assassinado nesta terça-feira (10) na Colômbia, onde passava a lua de mel.

A informação foi confirmada pelo presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, que condenou o crime em postagem no Twitter.

“O assassinato covarde do promotor Marcelo Pecci na Colômbia deixa toda a nação paraguaia de luto. Nós condenamos este trágico acontecimento com a maior veemência e redobramos nosso compromisso de lutar contra o crime organizado”, escreveu.

Em 2017, Pecci liderou foi a chamada operação “Zootopia”, em que foi desmontada a maior estrutura da facção criminosa brasileira Primeiro Comando da Capital (PCC) no Paraguai, com apreensão de 500 quilos de cocaína.

Pecci também investigava uma chacina ocorrida no ano passado em Pedro Juan Caballero, na qual morreram quatro pessoas — incluindo a filha do governador da província de Amambay e duas estudantes brasileiras (Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos, e Rhannye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos).

A principal suspeita das autoridades é que o crime tivesse sido cometido por causa de uma disputa interna em uma quadrilha brasileira de traficantes de drogas.

Leia Também:  Holanda diz que princesa poderia se casar com outra mulher e ser rainha

O narcotráfico na fronteira entre Pedro Juan Caballero e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, é controlado por pessoas ligadas ao PCC.

Mulher grávida

Pecci morreu na ilha de Barú, localizada a cerca de 40 minutos de barco da cidade de Cartagena das Índias.

Fontes da embaixada do Paraguai na Colômbia disseram à agência EFE que foram informadas sobre o acontecimento que ainda está sob investigação e que mantêm contato com a Polícia Nacional da Colômbia, que está realizando as investigações.

O diretor da Polícia Nacional da Colômbia, general Jorge Luis Vargas, disse à imprensa que as autoridades estão tomando atitudes urgentes e confidenciais que, segundo afirmou, “ajudarão a identificar os responsáveis ​​por este lamentável acontecimento”.

A Polícia paraguaia também enviou uma delegação à Colômbia que se juntará à investigação.

Pecci, de 45 anos, era procurador especializado contra o Crime Organizado, Narcotráfico, Lavagem de Dinheiro e Financiamento do Terrorismo.

A imprensa local também informou que o promotor fazia parte de uma operação chamada “Ultranza”, contra o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Ele havia recém se casado com a jornalista paraguaia Claudia Aguilera em 30 de abril e estava em lua de mel com ela.

Leia Também:  'Meu marido se recusou a me dar o divórcio por nove anos'

Aguilera disse à imprensa paraguaia que eles foram abordados por dois homens que chegaram em um barco à praia do hotel onde estavam hospedados e que atiraram em seu marido. Ele disse que não recebeu ameaças de morte.

Na manhã de terça-feira, o casal havia anunciado no Instagram que estava esperando um filho.

A imprensa local também informou que o funcionário fazia parte de uma operação chamada “Ultranza”, contra o tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, e estava envolvido na investigação de um ataque ocorrido em janeiro durante um show no Paraguai.

Ele participou na investigação do assassinato da filha de um governador regional e no caso do ex-jogador de futebol brasileiro Ronaldinho, que foi preso ao tentar entrar no Paraguai com passaporte falso em 2020.

O presidente Mario Abdo Benítez informou que se comunicou com seu colega colombiano, Iván Duque, bem como com o governo dos EUA, e que eles ofereceram apoio para investigar o ocorrido.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA