CUIABÁ

POLÍCIA

TJ reduz fiança de fazendeiro que matou onça para R$ 166 mil

Publicados

POLÍCIA

O fazendeiro Benedito Nédio Nunes Rondon deve ser liberado ainda nesta quarta-feira (20). E a defesa informou que conseguiu decisão para redução da fiança de R$ 500 mil para R$166.852,00. O valor será obtido em breve para liberdade do preso.

O pecuarista é acusado de crime ambiental por ter, supostamente, matado uma onça pintada em Poconé. Ele fez uma filmagem na qual aparece abraçado ao felino morto, com uma arma e zombando do mesmo. Diz que agora o bicho “ não vale nada”. O abate teria ocorrido porque a onça estaria matando gado na região.

O vídeo viralizou e logo o homem passou a ser investigado. Foi decretada prisão, mas ele passou dias foragido. Benedito Rondon se entregou na segunda-feira (18) e está preso desde então em Poconé.

Ele nega que tenha matado o animal e afirma que o encontrou já sem vida no caminho para sua propriedade.

Em audiência de custódia, realizada na noite do dia da prisão, a juíza Kátia Rodrigues Oliveira determinou que o homem pague fiança de R$ 500 mil para que seja solto e use tornozeleira de monitoramento eletrônico.

Leia Também:  Seis motoristas são presos bêbados na estrada Cuiabá - Chapada

A defesa do fazendeiro, patrocinada pelo advogado Anderson Nunes, contou ao  que obteve liminar no Tribunal de Justiça para redução da fiança e que o valor será repassado ainda hoje.

Ele argumentou que o valor estabelecido primeiramente era desproporcional ao crime pelo qual seu cliente é acusado. “Com essa decisão do TJMT, a justiça foi restabelecida. Pois o valor da fiança que tinha sido fixada pela juíza era desproporcional ao que recomenda a lei e ao tipo de crime que meu cliente vem sendo acusado”, alegou o advogado.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Golpista se passa por funcionário de banco e transfere R$ 52 mil de cliente

Publicados

em

A Polícia Civil de Mato Grosso, por meio da Delegacia de Repressão a Crimes Informáticos (DRCI), recuperou através de bloqueio bancário a quantia de R$ 47 mil subtraídos de uma vítima de estelionato praticado por meio eletrônico.

Na terça-feira (10.05), a vítima de 22 anos e moradora do município de Porto dos Gaúchos (663 km a médio norte de Cuiabá), registrou o boletim de ocorrência.

O comunicante informou que recebeu uma ligação de uma pessoa, a qual se identificou como sendo da Cooperativa Sicredi.

Na ligação o suspeito disse que haviam tentado acessar a conta bancária da vítima por um aparelho celular não cadastrado. Devido ao fato era necessário fazer uma atualização do cadastro de segurança.

A vítima acabou seguindo as orientações repassadas pelo golpista via telefone, e teve o acesso de sua conta bloqueada. Em seguida ela verificou que haviam realizados dois débitos de sua conta.

Uma das transferências foi no valor de R$ 49 mil, enviado para uma conta do mesmo banco. A segunda transferência no valor de R$ 3 mil, foi creditado em uma conta de outra instituição financeira.

Leia Também:  Moradores dormem na 'fila de ossinhos' para garantir cesta básica em Cuiabá

A vítima retornou a ligação para o número do telefone, mas não conseguiu contato. Foi quando percebeu que havia caído em um golpe de estelionato.

A DRCI foi acionada para dar apoio nas diligências, e conseguiu recuperar quase o valor total subtraído da vítima através de bloqueio bancário.

As investigações continuam visando identificar e prender o autor do crime.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA